Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike – Materiais

A gente não pode deixar de falar sobre Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike sem falar sobre o que é uma bicicleta uma Gravel Bike? Esta é uma questão que envolve muitos elementos, mas de forma geral é fundamental considerar os aspectos essenciais que compõem a “essência” da bike: o quadro e o garfo. Todo o resto é intercambiável, e deve ser considerado secundário ao avaliar as opções completas de bicicleta.

Quadros e garfos são, obviamente, feitos de diferentes materiais, e fabricados de diferentes maneiras, desde os feitos por robôs em modernas fábricas até os construídos à mão num modesto atelier, e obviamente a forma de sua fabricação influenciará no seu preço.

Levando em consideração que os senhores do marketing elevaram o carbono ao status de santo graal dos materiais do quadro, é normal que a maioria dos ciclistas acreditem que é a única opção disponível para um quadro de alta qualidade. Mas o certo mesmo é que cada material tem uma série de propriedades que contam com prós e contras.

Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike

Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike- Garfo e materiais

Fibra de Carbono

A fibra de carbono, em contraste, tende a quebrar mais, especialmente nas bikes de corrida de estrada mais leves. Mas estão menos sujeitas à fadiga por uso, a menos que tenha imperfeições na sua construção (esta é a parte difícil de do comprador verificar).

É muito fácil de modelar para conseguir aerodinâmica e oferece bastante conforto na pedalada, pois a fibra de carbono como trabalha e absorve vibração). Assim torna-se um material de quadro altamente ajustável. Também requer muita mão de obra especializada, então, o preço aumenta de forma proporcional. Ou é caro porque os investimentos em pesquisa e marketing precisam ser contabilizados nas margens de lucro. Sem obviamente falar nos custos de se produzir em outros países.

Alumínio

A hidroformação está permitindo que as empresas produzam quadros de alto desempenho que superem em muito a qualidade de pedaladas de poucos anos atrás, especialmente no que diz respeito a parte traseira da bicicleta. Muitas empresas estão produzindo excelentes bicicletas de alumínio em todas as categorias, o que é uma ótima notícia para aqueles que procuram um ótimo retorno sobre o investimento. A advertência aqui é que o alumínio tem uma vida de fadiga finita significativamente menor do que o aço ou o carbono, então é preciso monitorar esses quadros e retirá-los de ação (ou retificá-los) antes de chegar ao fim de seus ciclos de vida. A boa notícia é que eles não são caros de substituir e podem ser reciclados.

Veja também  Gravel e Road, qual a diferença?
Aço Carbono e Cromoly

Por exemplo, o aço é bastante maleável, por isso tende a se dobrar antes de quebrar. Isso é ótimo em uma queda. Mas tubos de aço leves devem ser finos, tornando não exatamente resistentes. Também é ferroso, então é preciso protegê-lo da ferrugem.

Mas para não dizer que não falamos das diferenças entre aços, vamos lá. Basicamente se utilizam aço ligados de 2 formas diferentes. O Cr-Mo, também conhecido como cromoly, é uma liga (liga 4130) onde o aço possui percentuais, ainda que baixos, de Cromo e Molibdênio (0,5 a 5% de Cr e 0,5 a 1,5% de Mo). Estes alteram a propriedade do aço. O cromo fornece melhor resistência à oxidação e à corrosão, e o molibdênio aumenta a resistência, sobretudo em altas temperaturas.

Com estas propriedades se conseguem usar tubos de parede mais fina, muitos fabricantes alegam ser o material mais indicado para fabricação de bicicletas. A bike fica muito mais confortável que uma de alumínio. É o material dos sonhos dos cicloturistas.

O aço carbono, obviamente possui índices mais elevados de carbono. Isso aumenta muito as propriedades em favor de resistências. As ligas especiais, especialmente as de Cr-Mo são mais caras. O aço carbono custa menos ao fabricante, mas não se diminui em nada o produto final, apenas pode ser um pouco mais pesado. Se for bem dimensionado será tão forte quanto o Cr-MO.

Este é outro assunto que poderia render horas de debates, pois é um assunto extremamente técnico. Existem formações profissionais específicas para trabalhar e lidar com estas ligas de metais em diferentes usos. Mas de forma bem básica, é isso. Aço carbono ou Cromoly são bons materiais para um quadro.

Um pouco sobre o titânio

Por que não? Os grandes quadros de titânio são caros e, como eles tendem a durar muito tempo, é ótimo certificar-se de que ele realmente terá as características de quadro e geometria adequados pra você quando for comprar o seu.

Veja também  Sobrevoando o Arapongas e Abissínia sem Drone no Google Earth

O titânio é realmente “difícil”. Ele é difícil de cortar e a dificuldade de corte se alia à dificuldade de soldar que o material apresenta. Isso torna a manufatura mais desafiadora e cara do que com os outros metais. Quando bem construído, no entanto, a opção de metal mais forte e durável para bicicletas. E geralmente é como um investimento de toda a vida.

Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike

Em termos de experiência que se tem pedalando – robustez, acabamento, amortecimento de vibração – lhe dará o mesmo que outros metais quando construído com os mesmos tubos de diâmetro nas mesmas espessuras. Tem uma reputação de ser “macio” em comparação com o aço ou o alumínio, mas eu acho que tudo isso tem a ver com o diâmetro e espessura da tubulação. Se um fabricante quiser que sua bicicleta ande “macia”, usará tubos de diâmetro menor e razoavelmente finos. Se um sentimento mais “robusto” for desejado, usará tubos de diâmetro maior e finos.

Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike

Independentemente do material, cada fabricante – produção em massa ou artesanal – terá suas próprias idéias sobre flexibilidade ideal em um quadro. Este é um assunto em que eu poderia abordar mais, mas, em geral, basta dizer que os tubos de diâmetro maior geralmente rodarão mais “rígidos” e os tubos de diâmetro pequeno geralmente rodarão “macios”. O carbono é o material do quadro que permite que os construtores usem grandes tubos, ainda assim aerodinâmicos, e mantenham características de pedalada confortáveis. Isso não é possível para outros materiais da atualidade.

Piso Acidentado

As gravel bikes são claramente pensadas para andar em piso acidentado. Então é preciso considerar como você quer se sentir lá. Ou seja, num quadro rígido  talvez seja conveniente usar pneus maiores e até rodas de perfil alto em estradas difíceis para ganhar mais conforto. Enquanto outra bicicleta que tenha o seat-tube mais flexível pode usar rodas de perfil baixo e pneus menores para a mesma estrada e acabar se sentindo igualmente confortável (e talvez talvez seja mais rápido, graças a ganhos aerodinâmicos).

Veja também  Dicas de Como planejar uma Cicloviagem aí perto de você

Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike

Para complicar ainda mais as coisas, é preciso considerar como a bicicleta será pedalada, ou seja, que tipo de energia você colocará na bicicleta na maioria das vezes. Se os pedais forem longos e estáveis, um seat-tube mais flexível permitirá um ritmo de pedal mais eficiente. Mas esta bike não lhe parecerá tão boa num sprint ou em subidas como como seria uma com um assento mais rígido. Mas isso são considerações subjetivas.

Os Garfos

Como escolher quadro e garfo da sua Gravel Bike

Os garfos podem ser de carbono, aço ou alumínio. O carbono está bem estabelecido como padrão para conforto e durabilidade. Os garfos de aço industrializados tendem a ser de baixa qualidade. Se qualidade é importante a solução passa para os personalizados. Estes proporcionam aos construtores a liberdade de ajustar a qualidade e a geometria para o ciclista.

Enquanto isso, a maioria dos garfos de carbono vem off-set padrão (talvez eu fale sobre isso em outros posts). Algumas empresas usam diferentes off-set para diferentes tamanhos de quadros, mas são raras. Os garfos de aço são mais pesadas do que alumínio e carbono, mas também podem ser muito fortes. Os garfos de alumínio já não são mais tão comuns (com exceção do Brasil, rs) e para mim seria a última opção.

Resumo

Já falamos sobre  as perguntas chave e agora demos uma passada de olhos nos materiais (assunto quase infinito e muitas vezes de viés pessoal). Só vale lembrar que no nosso mercado o material dos quadros e garfos predominantes são carbono e alumínio.

Do ponto de vista de pedalar em si, se pudéssemos colocar os custos e e todas as considerações sobre materiais de lado, eu diria que a geometria importa muito mais que o material do quadro. Poderíamos construir o quadro mais leve e forte com a combinação dos melhores materiais, mas se a geometria for “estranha” a bike será péssima e talvez até perigosa.

Como eu não sou nenhum especialista pretendo falar de forma bem simples sobre somente 3 prontos importantes da geometria, mais adiante, talvez.

A série toda:

 

About JosaJr

Um sujeito que mede o seu próprio sucesso pelo que inspira outras pessoas a fazerem de bom pelas suas vidas. Um eterno sonhador, corredor, artesão, cozinheiro, fly fisherman, criador do Endorfine-se, portal multi esportivo para quem corre ou pedala na rua e na montanha. Um belo dia resolveu levar uma vida mais saudável e perdeu 28kg em 5 meses e agora quer dividir com todo o mundo o que aprendeu e ainda vai aprender \o/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *